Marcas Sustentáveis na RIO+20

Uma Marca Sustentável possui atitude e caráter e só age de acordo com seus princípios e valores, ela é construída para permanecer no mercado por muitas décadas e é admirada por seu posicionamento.

Em tempos de Rio+20 e a questão da Economia Verde a Sustentabilidade passa a ser o centro das atenções de empresários e gestores de Marcas no Brasil, é o momento de se entender o que as Marcas podem e devem fazer pela Sustentabilidade.
Para uma Marca ser reconhecida como amiga do meio ambiente ela precisa ter uma Empresa Verde por trás, uma empresa que reconheça o impacto de suas atividades e que exija a gestão sustentável de toda a sua cadeia de fornecedores e também se preocupe com as consequências do ciclo de vida de seus produtos buscando o bem estar de seus funcionários, clientes, um compromisso com a humanidade e de toda a vida ao seu redor.
As empresas vivem no mesmo Planeta que seus clientes, seus produtos e serviços possuem maior ou menor impacto no ambiente comum a todos.
A ideia da sustentabilidade é buscar um equilíbrio responsável entre as dimensões financeiras, humanas e ambientais do negócio. Trata-se de atuar com responsabilidade, integridade e também generosidade, os recursos naturais estão disponíveis para todos e quando uma empresa utiliza a água, o ar ou outros bens da natureza precisa cuidar para que estes recursos sejam preservados e estejam disponíveis para as futuras gerações.
A Empresa Sustentável deve investir em inovação, criar produtos duráveis e buscar reduzir ao mínimo seu impacto e, quando não for possível, compensar suas pegadas com ações efetivas.
Os benefícios são enormes e imediatos, as Marcas Sustentáveis são reconhecidas pelo seu compromisso verdadeiro com ações socioambientais, estas Marcas passam a ter um significado especial e único, seus valores são percebidos e compartilhados pelo seu público que deixam de ser simples consumidores para se tornar verdadeiros defensores das Marcas, seus clientes sentem-se orgulhosos de fazerem parte deste universo, são fiéis e seus maiores fãs.
Luiz Pryzant

TVRIO20 ao vivo via Internet da Rio+20

Uma equipe de 18 profissionais está cobrindo tudo o que acontece na Rio+20 tanto na programação oficial como na extra-oficial com entradas relâmpago da equipe Ricardão, Ricardo e Ricardinho!

A TVRio20 está no ar em média 10 horas por dia ao vivo acompanhando debates, eventos e seus desdobramentos da Rio+20 . Uma iniciativa inédita na internet. Profissionais experientes em mídia impressa e televisão tomam parte dessa jornada em busca da diversidade ambiental dando vez e voz a todos os atores envolvidos nesse processo.

Entre a equipe da TVRio20 estão Ricardo Carvalho, fundador da Tv Meio Ambiente, José Maurício Oliveira, Ricardo Nehrer, Letícia Leite, Antonio Henrique Lago, Darlene Menconi e Ricardo Soares que será o âncora das transmissões.

O patrocínio é do Sebrae e TetraPak! Vale a pena acompanhar aqui

Amazongreen produz cosméticos com ingredientes da floresta

As essências retiradas da região amazônica de forma sustentável são matérias-primas para a produção de mais de dez perfumes e sabonetes exclusivos.

A empresa apresentou suas linhas de perfumes com nomes das árvores que foram base para os perfumes: Muru, Palmeira, Pitanga, Potapy, Teka e Kotyhu. Também uma linha que traz nos perfumes nomes em tupi-guarani como Kaaty, Tikue, Kamba Kumã e Kamba Kuimba’e. Exóticos, os produtos são preservados naturalmente e não recebem fixador.

A linha de sabonetes também chama atenção pelo perfume único. Possui aromas de guaraná, açaí com argila, melão e pitanga, entre outros. Cada um deles é embalado em folhas secas de pitanga.

Segundo Franscisco Aguiar, diretor da Amazongreen, “o pilar número um da empresa é a extração sustentável”. Os perfumes e cosméticos da Amazongreen são resultado do trabalho de cerca de 40 famílias, de três estados brasileiros, que encontram na extração, no artesanato entre outras atividades, sua fonte de renda.

A Amazongreen possui 2 lojas nos aeroportos de Belém e Manaus, mas não conseguimos encontrar contatos ou website da empresa, quem souber favor avisar-nos.

Pesquisa mostra evolução de práticas sustentáveis nas empresas brasileiras

Durante quase três anos, o ‘Programa Sustentabilidade na Prática – Caminhos & Desafios’, do Santander, realizou seminários e encontros com empresas de vários setores para trocar conhecimento sobre sustentabilidade. Nesse período, o total de participantes chegou a nada menos do que 1.483 organizações. Diante de um universo tão grande e diverso, o banco buscou identificar os resultados e diagnosticar os pontos críticos por meio da aplicação de questionários semestrais. As respostas mostraram que, ao longo do tempo, as empresas se tornaram mais comprometidas com o desenvolvimento sustentável, mais criteriosas em aspectos socioambientais na contratação de fornecedores, mais respeitadoras da diversidade e mais transparentes.
“Trabalhar tão a fundo com um número tão grande de empresas foi uma oportunidade única – quase impensável no mercado – de conhecer o estágio em que se encontra a aplicação da sustentabilidade nos negócios Brasil afora. Para os participantes também foi algo de grande valor, porque eles recebiam relatórios customizados que os ajudavam a conhecer suas próprias deficiências; além disso, tinham a possibilidade de traçar paralelos com outras organizações e transportar a aplicações de soluções sustentáveis para seus próprios negócios”, diz Maria Luiza Pinto, diretora executiva de Desenvolvimento Sustentável do Santander.
A metodologia escolhida previa a utilização do mesmo questionário nos três momentos em que a pesquisa foi realizada – durante o curso, seis meses após o curso e um ano após o curso. Nesse material, as perguntas seguiam oito grandes temas: Interesse em sustentabilidade; Gestão e Governança; Visão, Missão e Valores; Negócios e Clientes; Funcionários; Fornecedores; Meio Ambiente; e Ação Social. Os respondentes avaliavam como nota 5 o conceito “Reflete totalmente a realidade da empresa” e nota 1 “não reflete em nada a realidade da empresa.
Computados todos os dados, o levantamento mostrou que o interesse por sustentabilidade cresceu em todos os andares da pirâmide nas organizações. Na alta gerência, saltou de 65% para 82%; na média gerência, começou em 50% e fechou em 72%; e, entre os funcionários que não são gestores, na primeira pesquisa pulou de 35% para 58%. “Este é um ponto a se comemorar, já que não basta haver comprometimento da alta-direção para que uma empresa adote práticas sustentáveis profundas; é necessário disseminar o conhecimento sobre o assunto e contar com o apoio de toda a organização, o que é uma tarefa bastante desafiadora”, continua a executiva.
O item que teve ascensão mais rápida em todo o levantamento, contudo, foi a inserção da sustentabilidade na Visão, na Missão e nos Valores das empresas. Na primeira pesquisa, 40% declaravam já ter feito essa incorporação. Seis meses depois, eram 61%. E, finalmente, na última aplicação do questionário, salto para 68%. Velocidade parecida na implementação de medidas sustentáveis, aliás, foi verificada dentro de Gestão e Governança. A existência de fóruns para a discussão do assunto, por exemplo, cresceu 127% em um ano, saindo de 16% e indo a 39%.
Já em Negócios e Clientes, os resultados mostraram ritmo acelerados em alguns aspectos e lento em outros. Em relação a produtos e serviços, as premissas apresentadas evidenciaram que o desenvolvimento sustentável estava no radar de um terço das organizações. Doze meses depois, o número já havia dobrado. O desempenho foi menos expressivo nas ações de engajamento de clientes. O patamar começou baixo (21%) e subiu pouco (para 33%).
Se na comunicação com o público externo o avanço não se mostrou tão grande, com relação ao público interno o desempenho foi melhor. O item “Existem treinamentos de sustentabilidade para os funcionários” registrou 18% no início e 41% no final. Destaque também para outro aspecto voltado aos colaboradores: os programas de valorização de diversidade, que antes estavam presentes em apenas 26% das empresas, pularam para 45%.
Como se sabe, o compromisso com a sustentabilidade, para ser completo, não pod ficar restrito a funcionários e consumidores: tem de percorrer toda a cadeia de valor. Isso inclui olhar com cuidado para os fornecedores que uma empresa contrata e desenvolver trabalho de engajamento com eles. A adoção de critérios socioambientais na escolha desses prestadores de serviço ainda não chega à metade do universo de 1.483 empresas, mas mostra crescimento contínuo. Na primeira pesquisa, 19%; na segunda, 34%; e na última, 44%.
A pesquisa também abordou questões relativas ao meio ambiente – e mostrou que nesse campo já há algumas iniciativas relativamente consolidadas. A presença de coleta seletiva, por exemplo, começou em um patamar alto, de 60%, e fechou um pouco acima, em 69%. Os resultados no item “A empresa monitora a redução de seus impactos ambientais com metas específicas”, por sua vez, tiveram desempenho contrário: iniciaram em nível baixo (34%) e cresceram rapidamente (fechando em 51%).
Embora vários temas tenham apresentado resultados positivos, Ação Social foi considerado pelos entrevistados o campo de maior sucesso entre os oito pesquisados. Do total, 75% das empresas já acusam investimento em projetos sociais. Curiosamente, apenas 25% divulgavam suas ações. Agora, já são 47%.
Além de identificar em quais desafios as empresas estão se saindo melhor, a pesquisa ajudou a mostrar quais são os maiores entraves na busca pelo desenvolvimento sustentável. No balanço das pesquisas realizadas entre o segundo semestre de 2008 e o mesmo período de 2009, foram feitas 890 menções de dificuldades percebidas. Agrupadas em 28 itens, as respostas representam uma radiografia das questões que mais dificultam a incorporação da sustentabilidade no mundo corporativo. Os pontos considerados críticos foram o processo de conscientização e mudança de cultura interna, com 13% das menções, o engajamento dos colaboradores, 10%, e a falta de envolvimento da alta direção (9%).
“Esse trabalho continuado de troca de experiências e de auto-conhecimento das empresas permite que uma ajude a outra a implantar soluções sustentáveis inovadoras. Esperamos que os resultados continuem melhorando e que mais empresas participem para poderrm replicar suas novas experiências a outras redes”, conclui Maria Luiza.

Durante quase três anos, o ‘Programa Sustentabilidade na Prática – Caminhos & Desafios’, do Santander, realizou seminários e encontros com empresas de vários setores para trocar conhecimento sobre sustentabilidade. Nesse período, o total de participantes chegou a nada menos do que 1.483 organizações. Diante de um universo tão grande e diverso, o banco buscou identificar os resultados e diagnosticar os pontos críticos por meio da aplicação de questionários semestrais. As respostas mostraram que, ao longo do tempo, as empresas se tornaram mais comprometidas com o desenvolvimento sustentável, mais criteriosas em aspectos socioambientais na contratação de fornecedores, mais respeitadoras da diversidade e mais transparentes.
“Trabalhar tão a fundo com um número tão grande de empresas foi uma oportunidade única – quase impensável no mercado – de conhecer o estágio em que se encontra a aplicação da sustentabilidade nos negócios Brasil afora. Para os participantes também foi algo de grande valor, porque eles recebiam relatórios customizados que os ajudavam a conhecer suas próprias deficiências; além disso, tinham a possibilidade de traçar paralelos com outras organizações e transportar a aplicações de soluções sustentáveis para seus próprios negócios”, diz Maria Luiza Pinto, diretora executiva de Desenvolvimento Sustentável do Santander.
A metodologia escolhida previa a utilização do mesmo questionário nos três momentos em que a pesquisa foi realizada – durante o curso, seis meses após o curso e um ano após o curso. Nesse material, as perguntas seguiam oito grandes temas: Interesse em sustentabilidade; Gestão e Governança; Visão, Missão e Valores; Negócios e Clientes; Funcionários; Fornecedores; Meio Ambiente; e Ação Social. Os respondentes avaliavam como nota 5 o conceito “Reflete totalmente a realidade da empresa” e nota 1 “não reflete em nada a realidade da empresa.
Computados todos os dados, o levantamento mostrou que o interesse por sustentabilidade cresceu em todos os andares da pirâmide nas organizações. Na alta gerência, saltou de 65% para 82%; na média gerência, começou em 50% e fechou em 72%; e, entre os funcionários que não são gestores, na primeira pesquisa pulou de 35% para 58%. “Este é um ponto a se comemorar, já que não basta haver comprometimento da alta-direção para que uma empresa adote práticas sustentáveis profundas; é necessário disseminar o conhecimento sobre o assunto e contar com o apoio de toda a organização, o que é uma tarefa bastante desafiadora”, continua a executiva.
O item que teve ascensão mais rápida em todo o levantamento, contudo, foi a inserção da sustentabilidade na Visão, na Missão e nos Valores das empresas. Na primeira pesquisa, 40% declaravam já ter feito essa incorporação. Seis meses depois, eram 61%. E, finalmente, na última aplicação do questionário, salto para 68%. Velocidade parecida na implementação de medidas sustentáveis, aliás, foi verificada dentro de Gestão e Governança. A existência de fóruns para a discussão do assunto, por exemplo, cresceu 127% em um ano, saindo de 16% e indo a 39%.
Já em Negócios e Clientes, os resultados mostraram ritmo acelerados em alguns aspectos e lento em outros. Em relação a produtos e serviços, as premissas apresentadas evidenciaram que o desenvolvimento sustentável estava no radar de um terço das organizações. Doze meses depois, o número já havia dobrado. O desempenho foi menos expressivo nas ações de engajamento de clientes. O patamar começou baixo (21%) e subiu pouco (para 33%).
Se na comunicação com o público externo o avanço não se mostrou tão grande, com relação ao público interno o desempenho foi melhor. O item “Existem treinamentos de sustentabilidade para os funcionários” registrou 18% no início e 41% no final. Destaque também para outro aspecto voltado aos colaboradores: os programas de valorização de diversidade, que antes estavam presentes em apenas 26% das empresas, pularam para 45%.
Como se sabe, o compromisso com a sustentabilidade, para ser completo, não pod ficar restrito a funcionários e consumidores: tem de percorrer toda a cadeia de valor. Isso inclui olhar com cuidado para os fornecedores que uma empresa contrata e desenvolver trabalho de engajamento com eles. A adoção de critérios socioambientais na escolha desses prestadores de serviço ainda não chega à metade do universo de 1.483 empresas, mas mostra crescimento contínuo. Na primeira pesquisa, 19%; na segunda, 34%; e na última, 44%.
A pesquisa também abordou questões relativas ao meio ambiente – e mostrou que nesse campo já há algumas iniciativas relativamente consolidadas. A presença de coleta seletiva, por exemplo, começou em um patamar alto, de 60%, e fechou um pouco acima, em 69%. Os resultados no item “A empresa monitora a redução de seus impactos ambientais com metas específicas”, por sua vez, tiveram desempenho contrário: iniciaram em nível baixo (34%) e cresceram rapidamente (fechando em 51%).
Embora vários temas tenham apresentado resultados positivos, Ação Social foi considerado pelos entrevistados o campo de maior sucesso entre os oito pesquisados. Do total, 75% das empresas já acusam investimento em projetos sociais. Curiosamente, apenas 25% divulgavam suas ações. Agora, já são 47%.
Além de identificar em quais desafios as empresas estão se saindo melhor, a pesquisa ajudou a mostrar quais são os maiores entraves na busca pelo desenvolvimento sustentável. No balanço das pesquisas realizadas entre o segundo semestre de 2008 e o mesmo período de 2009, foram feitas 890 menções de dificuldades percebidas. Agrupadas em 28 itens, as respostas representam uma radiografia das questões que mais dificultam a incorporação da sustentabilidade no mundo corporativo. Os pontos considerados críticos foram o processo de conscientização e mudança de cultura interna, com 13% das menções, o engajamento dos colaboradores, 10%, e a falta de envolvimento da alta direção (9%).
“Esse trabalho continuado de troca de experiências e de auto-conhecimento das empresas permite que uma ajude a outra a implantar soluções sustentáveis inovadoras. Esperamos que os resultados continuem melhorando e que mais empresas participem para poderrm replicar suas novas experiências a outras redes”, conclui Maria Luiza.

Regiane Tosatti tel: 11 31743553 rtosatti@santander.com.br