Greenpeace aponta sujeira de grandes marcas

Algumas das grandes marcas do mundo utilizam fornecedores chineses que poluem rios com resíduos tóxicos proibidos na Europa e em outros lugares.

Adidas, Nike, Puma, Calvin Klein, Lacoste, Abercrombie e Fitch e Li Ning da China estão entre os nomes globais identificadas no relatório do Greenpeace após uma investigação de um ano.

O relatório centrou-se em dois grandes fornecedores chineses, o Complexo Têxtil Youngor em Ningbo, no delta do rio Yangtze e o Well Dyeing Factory Ltd  perto de Hong Kong.

Todas as marcas mencionadas no relatório confirmaram que utilizam produtos de origem de um dos dois fornecedores chineses.

Sabrina Cheung, diretora de comunicações corporativas da Adidas, disse  que sua relação com Youngor estava restrita ao corte e costura de roupas.

“O Grupo Adidas não utiliza tecidos de origem de Youngor Group, que envolveria o uso de corantes, produtos químicos e seus processos de tratamento de água associados”, disse ela.

A Puma disse que também utiliza a Youngor para corte, costura e acabamento mas, de acordo com suas informações, utiliza a unidade opera em um local diferente.

Quando perguntado se terminariam seus relacionamentos de negócios com a Youngor, Puma e Adidas disseram que não.

“Onde encontramos fábricas com problemas, é a nossa prática e política trabalhar com eles para resolver e solucionar esses problemas”, disse um porta-voz da Adidas na Alemanha.

Em uma resposta ao relatório, a Nike confirmou que tem produtos com origem nas duas fábricas pertencentes ao Grupo Youngor, mas disse que não usou produtos químicos perigosos detectados nas descargas de águas residuais examinados pelo Greenpeace.

Por seu turno, Li Ning, disse: “Pedimos-lhes para investigar a sua descarga poluente imediatamente.”

QUÍMICA PESADA

O Geenpeace disse que as amostras colhidas das descargas de águas residuais das duas instalações, revelou a presença de metais pesados ​​e perigosos,  substâncias como alquilfenóis e produtos químicos perfluorados, que são restritos em toda a União Europeia e nos Estados Unidos.

Os produtos químicos podem prejudicar os sistemas imunológico e endócrino, assim como o fígado, não são degradáveis ​​e não podem ser removidos por plantas de tratamento de água, e por isso foram eliminados em outros lugares

“Vamos trabalhar com o Greenpeace para encontrar uma solução”, disse um representante da Youngor.

Falta de água

A China identificou a água como um dos seus mais prementes problemas ambientais, com muitos dos seus principais rios contaminados por tóxicos das fábricas e fazendas.

Ministério do Meio Ambiente China disse  que 16,4 por cento dos seus rios principais nem sequer cumprem as normas exigidas para irrigar culturas.

“Nós achamos que o nosso governo realmente deveria agir rápido para desenvolver uma política. China está realmente ficando para trás porque isso já era um dos principais assuntos do mundo desenvolvido na década de 1970, e estamos apenas começando a reconhecer o problema.”

Por David Stanway

Reportagem adicional de Tyra Dempster e Bryan Victoria , em Frankfurt, edição por Ken Wills e Will Waterman

Versão português Luiz Pryzant